Decreto limita o Incentivo Fiscal do PAT

Decreto PAT

17 de março de 2022

O Programa de Alimentação do Trabalhador – PAT foi estabelecido em 1976, através da Lei nº 6.321/1976, a qual determinou que as empresas cadastradas custeassem a alimentação de seus empregados. Porém, em contrapartida, instituiu um benefício fiscal em que permitia a dedução da base de cálculo do imposto sobre a renda da pessoa jurídica – IRPJ do dobro das despesas incorridas com essa alimentação, limitado isoladamente a até 5% (cinco por cento) e cumulativamente com a dedução de que trata a Lei nº 6.297, de 15 de dezembro de 1975, a 10% (dez por cento) do lucro tributável.

Décadas depois, através da Lei nº 9.532/97 o limitador principal foi revisto, passando-se a ser imposto o limite máximo de 4% sobre o imposto de renda devido pelas entidades (15%).

No decorrer do tempo, a legislação (Decretos nos 5/1991, 3.000/1999 e 9.580/2018, bem como as Instruções Normativas SRF/RFB nos 267/2002, 1.515/2014 e 1.700/2017) vieram estabelecendo uma série de tratativas com o objetivo de cercear o benefício originalmente concedido para as empresas. Um grande exemplo são as limitações de valor para o benefício, que atribuiu custos máximos para as refeições incentivadas.

Nessa mesma linha, mais recentemente, no dia 11 novembro de 2021, foi publicado o Decreto nº 10.854/2021, que, dentre diversas outras questões, alterou as regras aplicáveis à dedutibilidade das despesas no âmbito do PAT na base de cálculo do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica – IRPJ.

Dentre as mudanças, o Decreto prevê que apenas poderão ser deduzidas as despesas com vale-refeição/alimentação: (1) de empregados que recebam até cinco salários-mínimos; e (2) estando, limitada a dedução ao valor de, no máximo, um salário mínimo por empregado.

Sobre este caso, sabe-se que o Poder Judiciário já reconheceu como ilegais as restrições impostas através de atos infralegais, os quais, em desalinhamento a Lei nº 6.321/76, extrapolam as regras jurídicas estabelecidas para constituir limitações de “custos máximos por refeição” para fins da dedução de despesas do PAT da base de cálculo do IRPJ.

O STJ, por exemplo, possui jurisprudência pacífica de que tais atos carecem de legalidade, tendo, inclusive, sido editado ato pela PGFN, em que se dispensou a Fazenda Púbica de recorrer em temáticas coincidentes (Parecer PGFN/CRJ/Nº 2623/08 e Ato Declaratório PGFN Nº 13/08).

Como o Decreto 10.854/21 também trouxe limitações a dedução do PAT não previstas em lei, é possível que se aplique o mesmo entendimento fixado pelo STJ no julgamento do caso acima indicado.

Ao se analisar o tema mais detidamente, já se tem visto notícias de decisões favoráveis a esse entendimento do STJ. A saber, a 22ª Vara Federal Cível de Belo Horizonte/MG (MS nº 1076633-81.2021.4.01.3800) e a 14ª Vara Cível Federal de São Paulo/SP (MS nº 5035156-40.2021.4.03.6100) concederam liminares que permitem as empresas a deduzirem, sem as limitações do Decreto, os gastos com as concessões dos vales refeição e alimentação, com o entendimento de que o Decreto contraria princípios da estrita legalidade e da hierarquia das leis.

Nesse cenário, observando-se que a jurisprudência reconhece a ilegalidade do Decreto que limita o PAT e, ao mesmo tempo, a manutenção do direito de aplicação das disposições trazidas pela Lei nº 6.321/1976, entende-se como pertinente a discussão para afastar as limitações instituídas pelo Decreto nº 10.854/2021.

Portanto, os contribuintes que se sentirem prejudicados devem buscar auxílio jurídico para avaliar a possibilidade de medida judicial, para que seja reconhecida a ilegalidade das novas limitações. Assim sendo, é conveniente ao administrador uma melhor reflexão sobre o tema e sobre os impactos na empresa.

A equipe tributária da ACTA se mantém atenta as publicações e posicionamentos apresentados na jurisprudência, a fim de prestar a melhor informação para os seus clientes. Desta maneira, caso desejem discutir de forma mais detalhada esse tema, estaremos disponíveis para qualquer esclarecimento.

Leia também…

Contribuintes conseguem afastar efeitos da Lei nº 14.789/2023

Contribuintes conseguem afastar efeitos da Lei nº 14.789/2023

Em 29.12.2023, foi publicada a Lei nº 14.789/2023, resultado da conversão em lei da Medida Provisória nº 1.185/2023, que conferiu um novo tratamento fiscal para as subvenções concedidas pela União, Estados, Distrito Federal ou Municípios para implantar ou expandir empreendimento econômico. Em vista disso, a partir de janeiro/24, empresas detentoras das subvenções sofrerão mudanças nas regras de tributação federal em relação os benefícios decorrentes do imposto sobre circulação de mercadorias e serviços (ICMS).

Fale Conosco

5 + 4 =

SP

Alameda Terracota, nº 215 – Conjunto 802. São Caetano do Sul – SP

Tel: 11 4266-0887

CEP: 09531-190

 

BA

Rua Frederico Simões, 447 – CEO Salvador Shopping. Torre Londres – Sala 1201

Tel: 71 3017-3778

CEP: 41820-020

 

AM

Rua Belo Horizonte, 19. Sala 1404 - Ef. The Place. Manaus - AM

Tel: 92 3071-8580

CEP: 69057-060

 

 

Acta Consultores